03 abril 2012

Cor No Ambiente de Trabalho


Considero o assunto a seguir de fundamental importancia por isso sempre que possível volto a ele. Hoje compartilho com voces um artigo  do  Arq. Fábo Rocha , no Fórum da Construção - IBDI, que achei super bem colocado. 

A mais antiga teoria sobre cores de que se tem notícia, é de autoria de Aristóteles. Para esse filósofo grego, as cores eram uma das propriedades dos objetos, assim como peso, material e textura – posteriormente Leonardo da Vinci refutaria essa ideia, afirmando que elas seriam propriedades da luz (e não dos objetos). Ele também afirmou que o preto e o branco não são cores, mas extremos da luz. Foi, no entanto, o físico inglês Isaac Newton que realizou os principais experimentos e revolucionou os conhecimentos sobre a luz e a composição das cores. Estudiosos contemporâneos ampliaram tais conceitos, acrescentando ainda os aspectos psicológicos envolvidos. Dessa forma, diz-se atualmente que a cor é vista (impressiona a retina), é sentida (provoca uma emoção) e é construtiva (tem valor de símbolo e capacidade de construir uma linguagem que comunica uma ideia).


Case Tour House: Leveza e bem-estar favorecidos pelos tons pastéis

Por tudo isso, e considerando pesquisas recentes de profissionais das áreas de atividades laborais, ergonomia e psicologia, a aplicação do esquema de cores no ambiente de trabalho tornou-se indispensável. Arquitetos e designers de interiores estão cada vez mais conscientes de que antes de elaborar o projeto cromático para os ambientes de trabalho é fundamental conhecer os requisitos e as necessidades do espaço considerado e das pessoas que o ocuparão, bem como os princípios científicos e os resultados psicológicos relacionados. Infelizmente, verifica-se ainda que em muitos casos o planejamento espacial é eficiente, a iluminação, o controle do ruído e o conforto térmico são adequados mas não há preocupação com o uso da cor, com grande apelo às cores da logomarca da empresa, nem sempre adequadas ao projeto cromático.



Case Grupo CATHO: O planejamento dos contrastes foi adequado ao ambiente

O bom uso das cores nos ambientes empresariais representa um auxiliar na promoção da saúde, da segurança e do bem-estar dos colaboradores e visitantes, uma vez que elas podem interferir nas reações psicológicas relacionadas a humor, satisfação e motivação; aumento do desempenho; menor fadiga visual; redução no índice de acidentes; facilidade de conservação e limpeza. Além disso, as cores são uma importante ferramenta na concepção da imagem da organização, no que se deseja transmitir aos clientes, colaboradores e fornecedores. 

O arquiteto Fabio Rocha destaca alguns aspectos a serem considerados antes de planejar a composição cromática dos espaços corporativos: 

1. As cores quentes (aquelas associadas ao sol e ao fogo – amarelo, vermelho e laranja) aproximam e aumentam os objetos, diferentes das cores frias (associadas à água e ao céu – azul, verde e violeta), que dão a impressão de distanciar-se e reduzem as dimensões aparentes dos objetos. As cores escuras criam a sensação de aproximação, enquanto as claras aparentam aumentar a amplitude.

Case Fabio Rocha Arquitetura: Estímulo à ação e ao entusiasmo por meio das cores quentes
2. Na percepção de tempo, experiências mostram que em ambientes com cores quentes o ser humano subestima a passagem do tempo, enquanto nos ambientes com cores frias o tempo é superestimado. No que diz respeito à percepção tátil, cores quentes parecem mais fofas e macias, e cores frias causam a sensação de dureza.

3. Pesquisas realizadas por psicólogos da Gestalt concluíram que sons altos e fortes fazem com que os olhos fiquem mais sensíveis ao verde que ao vermelho. Esses dados são importantes para o correto planejamento das compensações visuais, no caso de haver problemas com ruídos em diversos tipos de ambiente. Em relação à percepção de gosto  e olfato, verifica-se que os vermelhos, laranjas, amarelos e verde-claros são cores mais desejáveis, diferentes de púrpura, mostarda e tons de cinza, que são menos desejáveis.  É para pensar ao empregar esses tons em locais de refeição.

 4. Quanto ao significado das cores, destaca-se:
Amarelo: é uma cor de vivacidade e luminosidade, sugere proximidade. Se usado em excesso, pode se tornar cansativo.
Azul: na cultura ocidental está associado a fé, confiança, pureza. O azul-escuro dá sensação de frieza e formalismo.
Laranja: cor estimulante e de vitalidade, relacionada a ação, entusiasmo e força. 
Rosa: aquece, acalma e relaxa. Está associada a feminilidade e delicadeza.
Verde: sugere tranquilidade. Em tom claro, transmite sensação de paz e bem-estar. Tons escuros podem deprimir.
Vermelho: desperta entusiasmo, dinamismo e ação. Se usado em excesso, pode irritar e despertar violência.
Violeta: sugere proximidade e contato com a espiritualidade. O excesso torna o ambiente desestimulante. Assim como ocorre com o vermelho, com o azul-escuro e com o verde-escuro, não é recomendado o uso do violeta em grandes áreas.

Case Decorlight: Proximidade e um toque de elegância proporcionado pelo uso do amarelo em uma das paredes
Por fim, Fabio Rocha recomenda cautela no uso das cores em moda – como foi o caso dos tons de violeta usados fortemente no ano de 2008, por elas dificilmente se adaptarem a todos os aspectos, objetivos e necessidades de cada lugar e público. Para ele, a composição cromática com objetivo funcional atua ao lado das convenções estéticas e preferências pessoais, devendo prevalecer o projeto que amenize condições desfavoráveis e torne mais agradáveis os espaços empresariais. Estados de depressão ou fadiga podem ser decorrentes da permanência prolongada em ambientes cuja escolha das cores não atendeu à observação dos possíveis efeitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como é bom ver vc aqui. Caso queira fazer um comentário ou tenha alguma dúvida sobre a postagem fique a vontade. Obrigada pela sua participação.