24 fevereiro 2010

Segurança, conforto e praticidade


Quando pensarmos em um ambiente para crianças - do bebê ao junior - três conceitos devem estar muito bem definidos: segurança, conforto e praticidade.

Segurança: janelas devem sempre ser equipadas com redes de proteção resistentes e muito bem instaladas, com manutenção periódica. Grades para evitar acesso à escadas e ambientes que ofereçam perigo para as crianças, como cozinhas e banheiros. Os móveis devem seguir as normas de segurança em sua fabricação, fios de luminárias não devem ficar aparentes e tomadas de energia devem ser protegidas. As portas devem receber proteção contra correntes de vento que as fazem bater fortemente causando sustos e acidentes com as mãozinhas dos pequenos. Outro item de fundamental importancia é o isolamento e proteção das piscinas e, por vezes, de espelhos d'água para se evitar afogamentos e escorregões.

Conforto e Praticidade: pisos, revestimentos de parede, cortinas e tapetes, enxovais de berço e cama, edredons etc.. devem ser lindos, confortáveis, fofinhos e... fáceis de limpar e higienizar. A saúde e bem estar das crianças depende, em grande parte, da higiene e assepsia dos ambientes. Carrinho de bebê é um item que, na minha opinião, não deve frequentar o quarto do bebê, permanecendo em outro cômodo da casa até o momento do seu uso. Bichinhos de pelucia e outros brinquedos e enfeites que acumulam pó, devem ser aspirados e expostos embalados em papel celofane transparente ou em caixas de acetato ou acrílico.

As cortinas precisam ser fáceis de retirar e lavar e, as persianas devem ser limpas com pano umidecido pois é muito difícil limpá-las apenas com o aspirador (no caso das de lâminas de pvc, madeira ou metal). Procure ter sempre em mente como será feita a manutenção do espaço e se vc conta com boas ajudantes na hora da faxina para poder optar por revestimentos que facilitem ao invés de causarem transtornos. Deixo 1 site que traz dicas de segurança infantil em várias áreas: http://www.criancasegura.org.br/

Segurança, conforto e praticidade devem caminhar juntos.

16 fevereiro 2010

Espaço prático e agradável para a criança

A nova disposição do quarto ficará assim:
o guarda roupa será peça chave na distribuição dos móveis. Nele ficará embutida a cama de solteiro com cabeceira bau - onde será guardado o travesseiro e a roupa de cama de uso diário.

Contornando a cama, uma estante horizontal estreita com divisórias, servirá de apoio a pequenos objetos decorativos e livros. Um módulo aos pés da cama acomodará a tv LCD e aparelhagem de som e jogos.
A bancada de estudos será retrátil liberando mais espaço para as brincadeiras e terá prateleiras de apoio na lateral do armário.

A cadeira de estudo será de acrílico colorido para dar mais leveza ao espaço.

A cama é quase um sofá, com almofadas rolo e colcha envelope.

Nela estão embutidos 2 gavetões e ainda uma cama para visitas. Há ainda na parede junto da porta, um painel para fotos, desenhos, etc. Seria, a principio uma parede lousa (para se escrever com giz), mas a mãe descartou a ideia para não aguçar demais a "criatividade" do filho incentivando-o a escrever pela casa toda. Assim achou melhor a idéia do painel.

Os puxadores foram desenhados exclusivamente para o projeto e serão confeccionados por uma artesã.

Apesar do pouco espaço do quarto, com criatividade, foi possível dispor lugar certo para os itens necessários, de forma organizada e de fácil acesso para a criança e fácil manutenção.

Projetar um guarda roupa que acomodará confortavelmente as roupas e objetos do menino por muito tempo também foi fundamental.

Dos demais itens do projeto (cores, revestimentos, cortinas, iluminação, etc) falarei em outra ocasião.




13 fevereiro 2010

Como nasce um Projeto 3


Apresento a planta baixa de como era o quarto.
O piso como já comentamos é laminado flutuante e como está bem conservado, deve permanecer. Os móveis de bebê: berço, guarda roupa e cômoda,como também as cortinas e revestimentos de parede serão substituidos.

09 fevereiro 2010

Como nasce um projeto 2


Além do espaço reduzido, a obra deveria ser rápida, os revestimentos de fácil manutenção mas com qualidade e o orçamento bem enxuto. Seria um bom desafio.
Conversei com a cliente sobre a necessidade de remodular a iluminação do quarto para deixá-lo mais agradável e satisfazer às novas necessidades do menino quanto a luz na bancada de estudo etc. Como a mãe não havia pensado neste ponto e, achando que encareceria muito o custo final do projeto, pediu-me a apresentação das ideias para poder analisar com mais calma posteriormente.
O próximo passo seria apresentar uma Proposta de Projeto à cliente com as ideias para o quarto, incluindo um pequeno projeto de iluminação.
Fiz um esboço(croqui) da planta baixa (o desenho do espaço visto de cima), com o mobiliário existente, marquei pontos importantes como posição de vigas e pilares aparentes, interruptores e tomadas, posição do ar condicionado, enfim tudo que pudesse limitar o processo. Perguntei se haveria algum item que a cliente gostaria que fosse mantido. Como o piso laminado flutuante fora trocado havia poucos meses, ela achava desnecessária a substituição. Como estava em excelente estado de conservação, a qualidade era boa e o padrão neutro não causaria grandes alterações, prometi estudar com carinho e adaptar o projeto em relação a cores, texturas e revestimentos ao padrão do piso já existente. Assim, passei a analisar o espaço e pensar nas propostas que apresentaria para o quarto infantil.

Como Nasce um Projeto


Antes, quero lembrar dois itens importantes: - a aprovação final do projeto será sempre do cliente. Ele tem a palavra final, pois o projeto será feito para ele, e, - o projeto pode ser para um ambiente específico, como no case: um dormitório infantil, ou para toda uma residência, ou sua área social ou de serviço, ou loja, escritório não importa. A questão é de entendimento prévio entre cliente/profissional.
Bem vamos ao case: A cliente fez contato para saber sobre a possibilidade de reformular o quarto de seu filho de 5 anos. Na 1ª entrevista, conversamos sobre suas expectativas e necessidades da criança na ocupação do espaço.
A mãe desejava acomodar o menino confortavelmente já visando a utilização do espaço pelo menos até a adolescência, somente fazendo pequenas adaptações no decorrer do tempo. Então gostaria de uma cama, cama para visitas, guarda roupa, bancada de estudo, espaço para tv, som joguinhos eletrônicos, local para acomodar os brinquedos, muitos brinquedos, e ainda um cantinho livre para que ele pudesse receber seus amigos e brincar no próprio quarto, deixando a área social do apto livre da bagunça. Tudo isso deveria ser acomodado num espaço de 6,67 m².

04 fevereiro 2010

Como Atua Um Designer de Interiores

Por vezes o entendimento real de como atua um Designer de Interiores fica um tanto obscuro. Qual a área de atuação desse profissional? Até que ponto ele está apto a desenvolver um projeto seja residencial ou comercial? Nas próximas postagens vou apresentar um case que vai ajudar a delinear essa trajetória, discorrendo desde a primeira entrevista com o possível cliente até a fase de finalização do projeto, no caso, um quarto infantil. Será interessante acompanhar todas as etapas para se dimensionar, ainda que em baixa escala, a abrangência, as necessidades, as dificuldades e a superação com muita criatividade que envolve todo o processo. Não é um simples quebrar paredes e remodelar espaços. Passa pelo emocional, relacionamento e estado de espírito na busca pelo espaço saudável e agradável que corresponda, o mais próximo possível, ao desejo do cliente e, até supere suas expectativas pelo lado bom, é claro.
O importante em tudo isso é ter a confiança na escolha de um profissional que esteja em sintonia com os anseios de seu cliente, saiba interpretar e materializar seus sonhos, dentro de parâmetros possíveis, para que ele tenha prazer na utilização de determinado ambiente. Assim, espero auxiliar, tanto quem irá se utilizar dos serviços de um profissional quanto quem pretende ingressar nesta impolgante profissão.